sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

A CAMINHO DO PRIMEIRO MUNDO – SERÁ?


Estive ontem no Morumbi para acompanhar a estréia do São Paulo em 2009, no primeiro jogo do Campeonato Paulista, contra o Ituano. Em condições normais, o jogo não teria nenhum atrativo especial que justificaria a ida ao estádio numa quarta-feira chuvosa e relativamente fria para uma noite de verão, mas fiz questão de comparecer por dois motivos principais: 1) saudar o hexa-campeão brasileiro no início na primeira apresentação do ano e 2) verificar uma das grandes novidades que o clube proporcionou para a torcida neste ano: o novo setor Visa do estádio do Morumbi.

Depois de anos lamentando o fato de que aqui no Brasil não tínhamos as mesmas oportunidades de torcedores europeus e americanos no que se refere à possibilidade de aquisição de carnês para todos os jogos da temporada dos nossos times, nesse ano esse desejo se tornou alternativa real: o São Paulo lançou o Passaporte Tricolor, ou seja, um pacote para torcedores que consiste na aquisição do direito de assistir a todos os jogos do time em seu estádio durante o ano através de uma única compra. E mais: quem adquire o pacote passa a ter um lugar específico no estádio, reservado, identificado com seu nome. Não perdi muito tempo: adquiri 2 lugares, em sociedade com meu amigo Fabrício, com quem dividi algumas aventuras em Pequim enquanto acompanhávamos juntos os Jogos Olímpicos.

O custo-benefício, na minha opinião, é enorme: chega daquele trabalho de ter que ir às bilheterias antes de cada jogo, às vezes tendo que enfrentar fila e eventualmente não conseguindo ingressos para jogos mais importantes, quando a única opção passa a ser os cambistas (para os quais eu nunca dei meu dinheiro). É verdade que para essa situação o pacote de Sócio-Torcedor já representava vantagens, já que disponibiliza um guichê exclusivo para os sócios, mas mesmo assim ainda era necessário se dirigir às bilheterias para cada jogo. Além disso, chega daquela necessidade de chegar mais cedo no jogo para não ter que ficar espremido lá no canto da arquibancada azul, quase na amarela – agora o seu lugar está lá marcado e reservado. E, somado a tudo isso, ver seu nome num assento do estádio do seu time de coração indicando que aquele lugar é seu é mais do que prazeroso.

As mudanças no Estádio do Morumbi ainda estão limitadas: até o jogo de ontem foram apenas trocados os assentos, que agora possuem encosto e são um pouco mais confortáveis, há mais uma opção de lanchonete além do Habib’s, mas que ainda só disponibiliza pipoca e salgadinhos industrializados, dos quais eu gosto muito, mas ainda espero poder comer um cheese-burguer, um hot-dog, ou quem sabe até um pedaço de pizza (estou pedindo muito?). Não cheguei a verificar as condições dos banheiros, mas já há a informação de que serão devidamente reformados. Além disso, a nova forma de acesso, com o cartão de crédito, eliminando a necessidade dos famosos ingressos, também é uma facilidade.

Pensando nos torcedores comuns, fiquei sabendo também que o São Paulo não renovou o contrato com a empresa responsável pela venda de ingressos até o ano passado e passou a assumir essa operação. Vamos ver se isso reduz o poder dos cambistas, que claramente tinham facilidade na aquisição dos ingressos em grandes quantidades, contando até com a facilidade da compra em consignação, ou seja, devolvendo os ingressos que não conseguiam repassar. É ver para crer, e nesse ponto ainda fico um pouco pessimista.

É verdade que ainda existem muitos problemas que precisam ser resolvidos: o acesso ao estádio não é fácil, não há estacionamento disponível, com exceção de algumas poucas opções particulares, sem relação com o clube e cobrando preços altos, os “flanelinhas” continuam dominando as ruas da região (cadê a polícia?), entre outras coisas. Mas a iniciativa está de parabéns. Há promessas de que os outros problemas serão solucionados nos próximos anos, o que será necessário para a Copa de 2014 e, no caso do São Paulo Futebol Clube, o histórico das administrações mostra que ainda podemos confiar que essas melhorias realmente podem acontecer.

E o jogo? Não merece muitos comentários: empate por 1x1, com um gol do Hugo (ou “Doutor Zizugo” para alguns) logo no começo, mas um gol contra meio bizarro do Miranda complicou as coisas. Não daria para esperar muito de um time que voltou a treinar há apenas 9 dias, depois de 35 dias de férias. Além disso, era a estréia do Campeonato Paulista, o qual, conforme muito bem lembrado pelo Bola , não merece muita atenção.

.

2 comentários:

casa 206 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
REGIS N SANTOS disse...

Mais uma vez saimos na frente, espero que essa parceria de certo.

Quanto ao jogo, dominamos, mas por azar não marcamos. Todos os times jogam melhor contra o tricolor. Um exemplo disso que até o goleiro do "Ituano" fechou o gol.

Parabéns pela matéria, continue escrevendo q continuamos lendo.

abs